Turismo sem Fronteiras? A verdade sobre os bolsistas de doutorado

Olá, Abroaders! Primeiro, preciso agradecer em nome de toda a equipe do site pelos 1.4k compartilhamentos do nosso último post! Graças a vocês, conseguimos expor a situação complicada que nós, estudantes de doutorado, estamos enfrentando.

Como consequência, a mídia brasileira publicou alguns artigos sobre isso. Um exemplo de um artigo bem informado é este aqui, apesar da manchete um tanto sensacionalista. Infelizmente, alguns jornalistas não conferem seus dados com responsabilidade.  A gente leu este artigo da Folha de São Paulo, por exemplo. Depois, quebramos o Décimo Primeiro Mandamento (“Não Lerás os Comentários Alheios”) e nos deparamos com as seguintes pérolas:

“Espero que os doutorandos do Turismo sem Fronteiras sejam melhorzinhos que os graduandos”, “É uma gastança sem fim”, “Quem quiser fazer estudos fora do país que faça com seu dinheiro e não com nossos impostos”, “Quer fazer férias de graça entre no Ciência sem Fronteiras”… e o resto virou disputa partidária (melhorem, pessoas).

Se você conhece alguém que pensa assim, com certeza esta pessoa não sabe o que é um doutorado. Mas nós ajudamos a desenhar: já escrevemos o próximo post que explica direitinho (em breve, e com o selo Abroaders de qualidade).

WhatsApp-Image-20160701
Nos representa!

Mas o que leva as pessoas a ter uma opinião tão crítica sobre o programa?

Primeiro, claro, a fama que infelizmente muitos estudantes de graduação sanduíche ajudam a alimentar e que rendeu o apelido de “Turismo sem Fronteiras”.  Por isso, uma das principais críticas ao Ciência sem Fronteiras é que o programa deveria ser focado na pós-graduação (73% das bolsas foram destinadas à graduação sanduíche, enquanto apenas 3% delas foram destinadas aos programas de doutorado).

Apesar da fama da graduação sanduíche, muitos estudantes souberam aproveitar a oportunidade para alcançar reconhecimento nacional e internacional.

Exemplos? Este site que os estudantes organizaram para ajudar outros estudantes e contar suas histórias, ou esta reportagem sobre como duas estudantes de graduação sanduíche na Arizona State University ganharam menção honrosa e foram finalistas de um prêmio promovido por ninguém menos que a ONU e o GOOGLE. E aqui ou aqui estão exemplos de como ex-bolsistas de graduação do Ciência sem Fronteiras trouxeram benefícios ao país – tem mais no site da CAPES.

Segundo, a própria reportagem da Folha traz algumas (des)informações que manipulam a opinião pública. Por exemplo:

1) Dizer que o investimento mensal para se manter um doutorando nos EUA é de R$6000. O Fulano que sugeriu que usássemos nosso próprio dinheiro não sabe que este é o valor pago pela Capes apenas como um “salário” para que paguemos aluguel e outras despesas. Ainda há uma quantia muito maior sendo paga como matrícula semestral e taxas para as Universidades. As Universidades nos EUA não apenas não são gratuitas, como são caríssimas! Ah, a propósito, manter um doutorando aqui não é gasto, é investimento. Se duvida, dê uma lida no Manual do Bolsista  e veja toda a contrapartida que o Governo espera de nós. 

2) Dizer que a intenção do Programa é enviar estudantes para as melhores universidades do mundo, mas apenas 4% estão entre as 25 melhores universidades segundo este ranking.

MINHA GENTE, em primeiro lugar, estes 4% incluem os alunos de graduação sanduíche. Além disso, vamos combinar que mais de 100 mil brasileiros não cabem em 25 universidades, ok? E já que estamos falando de doutorado, como sempre, aqui vão dados fresquinhos providenciados pela Laspau(órgão afiliado à Harvard que faz parceria com a Capes para manter os doutorados nos Estados Unidos).

A primeira coisa que você tem que saber é que o tal ranking tem suas limitações. Existem universidades TOP em uma determinada área que não estão entre as melhores no ranking geral. Por exemplo, o Worcester Polytechnic Institute (WPI) é top em Engenharia, mas não está no ranking.

Se isso não te convenceu, saiba que, entre os estudantes de doutorado pleno nos EUA (Laspau/Capes/CNPQ):

  • 86% estão em universidades com ranking melhor que a UNB
  • 78% estão em universidades com ranking melhor que a UNICAMP
  • 62% estão em universidades com ranking melhor que a USP
ranking
Dados fresquinhos fornecidos pela Laspau sobre os estudantes de doutorado pleno nos EUA.

 

Enfim, o programa é perfeito? Longe disso. Precisa de mais “ênfase” na pós-graduação? Sem dúvidas. Dentre outras melhoras que precisam ser feitas (estamos estudando fazer um post sobre isso), especialmente no que se refere ao excesso de burocracia, má comunicação do governo brasileiro com os estudantes, e normas abusivas no novo manual. Mas o programa em si não é “turismo”, nem “gastança”. É um investimento necessário a médio e longo prazo, feito por um país com o ambiente acadêmico e de pesquisa sucateados, que não oferece o devido apoio aos seus cientistas, e que precisa investir em educação superior para trazer benefícios futuros. 

Podemos parecer suspeitos para falar, mas acredito que os dados trazidos nesta postagem mostram que a solução não é acabar com o Ciência sem Fronteiras, e sim aprimorá-lo para otimizar os benefícios ao país – e o retorno do investimento feito com os seus impostos.

Não posso terminar este post sem agradecer à Laspau, que tem estado ao lado dos bolsistas nesta luta. Eles entendem como de fato funcionam os programas de doutorado nos Estados Unidos, conhecimento que falta à Capes e a muitos consultores que avaliam nossos pedidos de renovação anuais. Mais que tudo, a Laspau – uma organização estrangeira – tem nos oferecido o suporte, atenção e empatia que nosso próprio país tem falhado em providenciar.

É isso, pessoal.

Compartilhe este post com seus amigos e família, e principalmente com todas as pessoas que pensam que você está fazendo ou quer fazer turismo utilizando o dinheiro público. Obrigada!

NOTA: Se você é uma das pessoas que consideram o doutorado no exterior uma gastança, turismo, ou falta do que fazer, vai fazer um e depois a gente conversa.

 

 

Passei em muitas: como escolher? Critérios na hora de escolher a universidade após a aprovação!

E aí Abroaders!

Então você fez tudo direitinho, passou por todas as etapas, pelas siglas LoR, SoP, GRE, TOEFL, etc… E ficou na expectativa dos resultados das universidades. A ansiedade aumenta e você já não dorme (não come e não f…er…, deixa pra lá), a tecla F5 do seu teclado já está gasta, você está com o thegradcafe aberto constantemente (explico sobre este site mais abaixo), e nada … been there bro.

Aqui vai a primeira dica: o site www.thegradcafe.com, para quem tem um espírito masoquista para quem quer acompanhar os resultados das universidades, é uma comunidade com estudantes que se inscreveram em grad schools, mais focado nos EUA e Canadá. A ideia principal do site é simples: cada um que recebe o resultado de sua inscrição vai até a comunidade e publica em qual curso e universidade foi aprovado, suas notas e outras informações. É bem interessante, e falaremos novamente sobre o gradcafe mais abaixo, pois ele possui ainda outras utilidades.


2

 

Voltando ao assunto… Enfim chega o momento, nada no e-mail ainda, mas você observa no gradcafe que estão divulgando resultados de uma universidade que você se inscreveu, mas que coisa, que alegria, que emoção! Bom, além de esperar informações por e-mail, você deve checar o site da universidade, então, depois do log in, você tem uma notificação que a decisão foi tomada, enquanto espera o link abrir, o coração na boca……bomba, rejected.

É meu amiguinho, sensação devastadora. Não, não é o fim do mundo, mas foi tanto esforço, tanta espera, para nada. Você sabia que era a universidade mais difícil de entrar e você nem queria tanto, mas não importa, um rejected abala a confiança de qualquer um, e ninguém entenderá porque tanto drama, só quem passou por isso. Mas siga em frente que ainda tem bala na agulha.

Certo, agora a ansiedade chega a níveis master, mais duas semanas e nenhum outro resultado chega. Nas comunidades do Facebook já tem um monte de gente recebendo suas aprovações e você chupando o dedo. Indo direto ao assunto, tudo o que você quer neste momento é algum sim, qualquer um, nem precisa mais ser de sua top choice. Começa a fazer promessa de não checar o gradcafe e os sites das universidades por pelo menos um dia.

Agora seu telefone vibra (cada notificação será um mini ataque cardíaco), novo email – É DA UNIVERSIDADE – rapidamente abre e… aprovado!!!

https://www.youtube.com/watch?v=76QlNWVleC4

Nossa, você chora, pula, não acredita, ou nem consegue ficar feliz ainda pois a tensão foi tanta que você está meio emotionless, mas a ficha cai logo! Acabaram as preocupações certo? Claro! Passei! *confetes*

Aí, você já com mil planos, um dia depois chega novo email com nova aprovação!!! Explode coração! Agora você já está se sentindo o pica das galáxias! Nossa, opção de escolha, que máximo. Tá, e agora, como escolher? Drama queen… Mas as coisas ainda podem se complicar mais (mas convenhamos, não é uma complicação tão ruim), você pode ter um prazo para aceitar uma oferta de admissão, e este prazo vencer ainda antes de você conhecer o resultado das outras que você se inscreveu (isto sim é complicado).

Bom, vamos lá, chega de historinhas, se você se encaixa em alguma destas situações este post apresenta algumas coisas que podem te ajudar na prática a escolher onde você vai passar os seus próximos 4 anos. A principal de todas é feita bem antes, quando você escolhe para quais universidades você vai se inscrever.

É claro que neste momento já sabemos que o principal nesta escolha é o programa em si, um bom encaixe acadêmico com sua linha de pesquisa e um bom contato com um possível orientador. E muitas vezes é apenas isto que olhamos quando decidimos aonde aplicar. Fazemos nossa listinha das top 5, tudo bonitinho. Mas as coisas podem mudar muito durante o longo período de espera. O contato com um orientador ficou excelente e outra universidade virou top, ou um orientador sumiu do mapa, ou o departamento ofereceu grana extra, nossa, muita coisa pode mudar desde que você fez aquela lista. Mas no fim das contas, se tudo estiver meio empatado, você pode levar em consideração: como é a cidade, o clima, as pessoas, o custo de vida, estilo de vida, etc. Parece bobagem agora né, mas serão quatro anos, e para quem vai com dependentes então, os pesos mudam.

Por isto que uma boa pesquisa inicial vai ajudar muito. Pode ter casos em que, depois de ter passado na universidade você resolve pesquisar sobre a cidade, e alguma coisa muito fora das suas características te faz pensar: eu não quero morar ai por tanto tempo. Bom, se você tivesse visto isto antes te pouparia uma inscrição e muito trabalho.

O que vai acontecer neste momento de escolha é uma verdadeira competição entre suas opções, e para ajudar você pode criar critérios de aspectos que você considera importante e dar notas, o peso de cada conceito vai variar de acordo com suas prioridades. Alguns critérios que acredito que podem ajudar:

Melhor encaixe de seus interesses com o programa;

Corpo docente / relação com possível orientador;

Oferta de renda extra, como bolsas de RA/TA;

Ranking da Universidade (questionável, mas em algum nível pode te ajudar a aceitar alguma escolha, eu colocaria um peso mais baixo em detrimento aos anteriores);

Estilo da Cidade;

Custo de vida;

Opções de moradia;

Coisas para fazer;

Mobilidade, caminhabilidade;

Segurança …

A lista de fatores a se considerar na cidade é grande e, novamente, vai variar de pessoa para pessoa. Uma coisa é fato, se você pretende ir com dependentes (cônjuge, filhos), a cidade irá pesar bastante na sua escolha.

Então vamos lá, quanto aos primeiros itens não tem muito segredo, o post sobre achar universidades do Abroaders já ajuda nisto. Considere também o Monthly Maintenance Rates (MMR), que é o valor mínimo exigido (para fins de encaminhamento do processo de visto) para a sua cidade/região, e o quanto você receberá de bolsa, se ficar abaixo no valor mínimo você será obrigado a complementar. Uma boa estratégia é abrir o jogo com seu possível orientador, às vezes eles conseguem alguma coisa para você. Mas cuidado para não sair pedindo dinheiro para todas, mesmo naquelas que você não tem muita intenção de ir, pois já pensou, conseguem tudo o que você pediu e ainda assim você declina…Acontece, mas nunca é muito bom; deixe para usar o funding game para aquelas que você tem real intenção de ir.

Agora quanto à cidade tem duas dicas muito importantes, que podem ser usadas durante todo o processo: O City-data e o TheGradCafe.

O GradCafe além de ser uma ótima ferramenta para acompanhamento dos resultados, possui um fórum com foco em grad schools, excelente mesmo. Recomendo explorar as várias seções, mas referente ao nosso dilema, é o cityguide que irá trazer algumas respostas. As diferentes seções ficam mais ou menos ativas ao longo do ano. Praticamente todas as cidades que possuem grandes universidades tem um tópico próprio. Leia bem sobre a cidade, poste perguntas, mas principalmente, identifique membros com mais conhecimento dos locais e entre em contato diretamente por mensagem.

 

Agora, eu não consigo recomendar suficientemente o City-Data, é O site para buscar informações de cidades americanas.

citydata

 

Na primeira parte, você insere o nome da cidade e faz a busca. A quantidade de informações que retorna é ridícula, tem tudo, dados censitários, clima, economia, mapas interativos, criminalidade, orientação política (!), lista de estabelecimentos comerciais, e muuuuuito mais coisas. É realmente incrível, perca invista seu tempo com boas leituras e comparações neste site.

Mas você acha que um monte de dados é muito superficial, você é mais quali do que quanti? Sem problemas, entre no fórum do site, aí a brincadeira fica boa. Por experiência própria, o pessoal deste site é muito prestativo. Existem várias seções, por estados, cidades, sempre vai ter algo que você procura. Se não houver, poste sua dúvida, tenho certeza que logo terá respostas. Os americanos são, em geral, mais acostumados a se mudar ao longo da vida, e este site tem sido muito utilizado como fonte de informação. Aqui é importante para você descobrir o “estilo de vida da cidade”, descreva um pouco o que você busca ou pergunte especificamente, por exemplo, se a cidade tem um estilo mais urbano, com pessoas caminhando na rua até mais tarde, comércio vasto e aberto; ou uma cidade mais tranquila, aonde todos se conhecem e são amigáveis com estrangeiros.

Isto tudo é ainda mais importante com dependentes. Imagine você estudando como um maluco no seu PhD, seu cônjuge ainda não pode trabalhar (lembre que o visto J2 até permite trabalhar, mas a autorização demora), e talvez não tenha achado nada para estudar ainda. Como será a qualidade de vida da família? Querem um lugar mais afastado, ou preferem um lugar aonde possam fazer mais amigos, sair na rua e encontrar pessoas. Filhos? Como são as escolas, a vizinhança, o espírito de comunidade. É queridos amigos, percebem como analisar bem isto tudo ainda no início vai facilitar sua vida?

Outros sites de busca de moradias ajudam a dar uma ideia de como é a oferta e a tipologia das habitações disponíveis nas cidades, para listar alguns: Trulia, HotPads, PadMapper, Rent, Walkscore, são alguns exemplos.

E claro, nunca esquecer dos básicos, como o Google Street View e o YouTube. Dar uma passeada pela cidade com o street view pode dar uma visão completamente diferente dos tradicionais mapas. Mas são imagens estáticas, então um bom vídeo amador no YouTube pode ajudar muito. É muito comum encontrar reviews feitos por estudantes turistas ou moradores, em vídeos com os termos driving in…, how is life at…, getting to know…, etc., e a cidade que você quer conhecer.

A última dica que deixo aqui é tentar ao máximo um contato direto com estudantes da universidade que você vai, e melhor ainda se for do mesmo programa. Normalmente se você pedir a alguém do departamento, eles fornecem o contato de algum estudante disposto a ajudar. Pergunte tudo, como é a vida lá, o que fazem nos fins de semana, como é o ritmo de estudos, opções de moradia, e muito mais, pergunte mesmo. Muitas vezes eles irão sugerir um Skype call para facilitar.

Ah, lembra aquela situação em que você tem um prazo para aceitar ou não uma oferta que irá vencer antes mesmo de você conhecer todos os resultados? Uma alternativa é simplesmente pedir mais prazo. Seja honesto e diga por que você precisa de mais tempo, seja porque você precisa conseguir mais dinheiro para atingir o MMR, ou porque você ainda está esperando outros resultados para poder tomar uma decisão mais consciente. Acredite, este tipo de situação é comum e natural para eles, dificilmente você não conseguirá mais algum tempo. Mas fique ciente que nem sempre será suficiente, pois tem programa que solta resultado em fevereiro e outros só em maio, por exemplo, conseguir segurar a oferta aberta será um desafio nestes casos.

Bom, a intenção deste post era mais de preparar você para o que pode vir, garanto que se muito deste trabalho for feito antes mesmo de definir as suas opções para aplicação, o processo de escolha será muito mais fácil no final.

É isso aí, tome notas de todos os fatores que você acha importante, atribua pesos e valores, inclua sua família e amigos (muitas vezes simplesmente falar do que você gosta ou não gosta de cada opção para alguém irá clarear e muito sua mente), compare tudo e seja feliz! Afinal, você teve opções!

Depois virá a parte chata de avisar àquele professor super querido, que sempre te apoiou, que infelizmente você escolheu outro programa… doí viu, mas isto é assunto para outro post!

E aí, alguma dica de onde buscar informações para ajudar na escolha? Compartilhe conosco nos comentários.

“O Prostituto de Universidades”: conheça a história de Marcelo Leitão e suas candidaturas a pós-graduação no exterior

Ele se inscreveu para dois mestrados, um doutorado e um mestrado profissional, em três países diferentes, em quatro universidades, de uma só vez. Ganhou o apelido peculiar de Prostituto de Universidades e quase foi acusado de vender a alma ao Diabo. Quer saber no que deu? Com vocês, Marcelo Leitão, o arquiteto cearense que gosta de viver fortes emoções!

Desde o começo da minha graduação eu já tinha uma certeza: “eu quero estudar fora!”… Mas como eu conseguiria isso? Essa era a grande pergunta! Um dia eu parei e percebi que conhecia várias pessoas bem mais capacitadas do que eu, com um currículo e desempenho exemplar, mas pela falta de um simples quesito, a proficiência em uma língua estrangeira, não tinham nem chances de ao menos de participar de um processo seletivo. Logo, desde o inicio da minha graduação eu busquei aprender o máximo possível, pois cada língua é um leque de oportunidades que se abre na sua vida!

Marcelo em Wisconsin, nos EUA, durante seu intercâmbio!
Marcelo em Wisconsin, nos EUA, durante seu intercâmbio!

Após finalizar a minha graduação e ainda com foco nesse objetivo, tomei uma decisão difícil e fui contra todos os “bons conselhos”: larguei tudo no Brasil e fui para o exterior em busca de proficiência em alguma língua. Um ano depois, Maio de 2013, retorno ao Brasil, mas com planos de aplicar apenas no ano seguinte (em 2014 para ir no ano de 2015). Senti que ainda não estava pronto, que precisava pesquisar mais sobre o assunto, ganhar experiência e outras coisas… Até receber a ligação de um professor da faculdade.

– “Marcelo, tudo bem? Faz dois meses que estou tentando falar com você e não consigo. Precisamos resolver a sua pós-graduação!” falou o meu professor.

Confesso que naquele momento eu me animei bastante!, Mas logo em seguida bateu o medo e o sentimento “não estou preparado”. Conversei mais um pouco com o meu professor e acabei seguindo o seu conselho:

– “Você já tem toda a documentação? Tente, pois na pior das hipóteses, você ganhará pelo menos a experiência.”

E assim eu o fiz. Quase nos 45 minutos do segundo tempo (Agosto/2013) eu resolvi tentar, e se era para tentar, que fosse para valer a pena. Apliquei para 4 bolsas de estudos e a partir daquele momento eu estava mais conhecido entre meus amigos como “prostituto de universidade”: a que pagasse, eu iria! As bolsas foram:

  • PhD nos Estados Unidos pelo Ciências sem Fronteiras Capes/Laspau
  • Mestrado em Arquitetura na Alemanha pelo DAAD
  • Mestrado na Inglaterra pelo Consulado Britânico (Bolsa Chevening)
  • Mestrado Profissional nos Estados Unidos pelo Ciências Sem Fronteiras Capes/IIE

Foi um processo longo e bem estressante. Administrar uma candidatura de bolsa de estudos é difícil, imagina quatro? Devo ter sofrido alguns pequenos infartos no processo, mas sobrevivi e agora é só felicidade! (ops, spoiler). Todos os processos foram simultâneos, mas para facilitar, o processo, contarei em tópicos individuais:

 

1. PhD nos Estados Unidos pelo Ciências sem Fronteiras Capes/Laspau

Esta bolsa era (o que eu achava ser) o meu sonho. Foi o processo mais longo, caro e estressante, mas certamente o que me deu experiência para obter sucesso nos outros. As principais dificuldades no inicio foram a falta de informação e o tempo curto para finalizar tudo. Eu tinha menos de 1 mês para juntar toda a papelada, traduzir documentos, escrever plano de estudos e descobrir o que era o GRE, mas graças a ajuda de alguns santos (dentre eles estão alguns dos integrantes da equipe Abroaders) eu consegui enviar tudo a tempo.

Algo que me desmotivou bastante no início do processo foi a pequena quantidade de universidades que eu poderia me candidatar. Essa restrição se deu basicamente por três motivos: o meu tema é bem específico e poucas universidades oferecem pós-graduação nessa área, Building Science, focando em Sustentabilidade e Eficiência Energética em Arquitetura; eu não possuo título de mestre e boa parte dessas universidades pedia mestrado para ingressar no doutorado; e a minha pontuação do TOEFL era de 92 pontos (22/24/22/24), e boa parte das universidades que ofertam pós na minha área pediam 100 pontos. Quando me deparei com todas essas questões, percebi que o sonho não seria tão fácil quanto eu imaginava, mas essa não era hora para desistir e eu precisava fechar meu submission plan.Nadar para morrer na praia não é o meu lema!

No final das contas, o meu submission plan acabou ficando com apenas três universidades. Eu queria ter aplicado para Berkeley e Virginia Tech, apenas! Mas como eu havia entendido que precisava tentar pelo menos três, acabei adicionando Texas A&M, mesmo não sendo bem na minha área.

Um dia, estou no trabalho e recebo um e-mail muito gentil de Berkeley avisando que, infelizmente, eles não poderiam me oferecer uma vaga, que eu não ficasse triste, que o problema não era eu, mas o alto nível da concorrência. Eu, por desencargo de consciência, entrei no site do GradCafe e fui conferir o nível da pessoa que tinha sido aceita. Ela apresentava pelo menos (estratosféricos) 90% em cada quesito do GRE… acho que realmente ela merecia! hahaha

Algumas semanas depois eu recebi a carta de concessão da bolsa! Foi um alívio muito grande, pois pelo curtíssimo tempo que tive para montar o plano de estudos, não achei que seria concedida. Isso me fez acreditar que talvez o sonho ainda fosse possível. Ainda naquela semana, recebi o “não” de Virginia Tech, algo já esperado, pois eles aceitam de 1 a 2 estudantes de PhD na minha área por ano.

E para finalizar, fui aceito na Texas A&M! Mas, em meio a toda essa supressa, só me restavam dúvidas: Estou preparado para um Doutorado direto da graduação? Texas A&M não tem foco na minha área, vale a pena? Onde eu fui arrumar esse sonho?

No final das contas, acabei negando a oferta e abri mão da bolsa de Doutorado direto. O PhD é uma coisa muito séria, que exige muita dedicação e não valeria a pena fazer “de qualquer jeito”. Foi uma decisão bem difícil, pois até aquele momento eu não tinha nenhuma garantia de outra bolsa ou aceite de universidade, mas era o mais certo a ser feito.

A grande lição de tudo isso foi que sim, é possível conseguir a tal “lenda do doutorado sem mestrado”, mas nem sempre isso será o melhor para você! E como conselho, mesmo sem ter certeza do que você quer, tente e depois que você tiver o aceite você decide.

 

2. Mestrado em Arquitetura na Alemanha pelo DAAD

Quando eu me candidatei a essa bolsa eu estava me achando, crente que ia conseguir! Tinha tudo para dar certo, pois ela era exclusiva para arquitetura, e muitas pessoas por acreditarem que precisa falar alemão, deixam de tentar, reduzindo ainda mais a concorrência. O processo foi bem simples e de fase única. Mandei um pacote de 3kg de papel pro DAAD no Rio de Janeiro, que seria reencaminhado para Colônia, na Alemanha.. depois disso era só sentar e esperar. Até que um dia recebi uma ligação da minha mãe:

– “Filho, chegou aqui uma carta de um tal de DAAD para você..”

– “Mãe, isso é a resposta da minha bolsa! O pior é que não adianta nem eu pedir para abrir, pois a senhora não entenderá nada…”

Momentos de tensão até eu chegar em casa e ler um educado “Nein, nein, nein!”

Moral da história: Sabe de nada, inocente!

PS.: Foram 341 candidatos do mundo todo e 37 selecionados.

Marcelo, na Alemanha. "Existem muitos muros a desconstruir", diz a frase no muro (segundo ele, é claro, eu não falo alemão! rs)
Marcelo, na Alemanha. “Existem muitos muros a desconstruir”, diz a frase no muro (segundo ele, é claro, eu não falo alemão! rs)


3. Mestrado na Inglaterra pelo Consulado Britânico (Bolsa Chevening)

Eu fiquei sabendo dessa bolsa de estudos bem em cima do deadline, algo como um pouco mais de uma semana antes, mas como o processo é todo on-line, bem simples e eu já tinha toda a documentação, por que não tentar? Estudar na Bartlet School – University College of London era um sonho e eu jamais pensei que teria essa oportunidade um dia. A bolsa é extremamente concorrida, algo como 28 mil candidaturas no mundo inteiro, aproximadamente 3 mil só no Brasil. Comparando com a bolsa da do DAAD, só um milagre para eu conseguir!

Novamente, tive uma surpresa, mas desta vez foi boa! O consulado britânico quase me matou do coração, pois enviou um e-mail 7hrs da manhã me parabenizando, mas apenas 30 minutos depois um outro e-mail pedindo para desconsiderar o e-mail anterior. Fiquei horas sem respostas e sem saber se aquilo era uma pegadinha… tentei contato com os responsáveis, mas me foi dito que eles estavam tendo dificuldades em gerenciar as informações, que eu deveria esperar e seguir pensando positivamente. No final de um longo dia, chega um terceiro e-mail convocando novamente para a entrevista! Neste momento, mesmo sabendo que nada era certo ainda, foi só alegria, pois um milagre tinha acontecido: destes quase 3 mil candidatos, aproximadamente 100 pessoas haviam sido selecionadas para a segunda e última fase… e eu era um deles!

Segui para a segunda fase, fui para uma entrevista em Recife, consegui o aceite da UCL e estou esperando a resposta final, que deverá sair no final de maio, começo de junho. Moral da história: A vida me deu uma lição muito grande, mostrando que nem sempre o que é seguro (a bolsa do DAAD) é certo, e nem sempre o que é “impossível” é inalcançável. E a única forma de descobrir isso é tentando.. por isso: TENTE!

Na próxima semana, o Marcelo disponibilizará para os integrantes do #teamAbroaders (vocês, rs) a sua Statement of Purpose e a Personal History, documentos que teve que redigir para as suas candidaturas! Teremos um post sobre SoP com vídeo e exemplos para baixar. Não percam!


4. Mestrado Profissional nos Estados Unidos pelo Ciências Sem Fronteiras Capes/IIE

Depois de todos os processos seletivos, este que eu julgava ser meu coringa, acabou sendo meu “Ás”! A bolsa de estudos foi ofertada nas últimas e claro, eu já tinha toda a documentação. Eu passava nos requisitos mínimos por pouco, mas passava! Fiz toda a burocracia e depois de alguns meses, lá estava meu nome na lista. Para ter um pouco de emoção, a lista foi revisada e algumas pessoas saíram dela, mas meu coração já estava acostumado e meu nome seguia na segunda lista. O que dificultou foi o atraso no processo e com isso, pouquíssimas universidades ainda estavam aceitando candidaturas.

Como um bom bom brasileiro e que não desiste nunca, escolhi três universidades que ainda estavam abertas e mandei e-mail chorando para Berkeley e VirginiaTech. Berkeley negou de cara, estava com o mestrado lotado. VirginiaTech disse que eu poderia pedir revisão, mas que aconselhava que eu aplicasse para outro centro, pois como eu já havia sido negado uma vez, facilmente eu seria negado uma segunda. Mas eu segui sendo brasileiro e insisti: “Não, eu desejo aplicar para o mesmo centro!”

Certo dia, estou no fazendo compras no mercado e recebo um e-mail da VirginiaTech oferecendo ajuda para alugar apartamentos. Naquele momento eu perguntei: “Tu tá de brincation with me né VT? Já não sabes o que sofri e me mandas este tipo de coisa!” Larguei tudo e voltei para casa correndo, entrei no site da faculdade e lá estava! VOCÊ FOI ACEITO PARA O PROGRAMA DE MESTRADO!

Agora estou no meio das burocracias de visto, aluguel de apartamento, busca de roommates etc.. mas isso não é nada frente ao resto do processo, pois o sentimento que tenho é só alegria! Pedi muito que a vida me desse a chance de realmente escolher para onde eu queria ir, e eis que me foi concedido! Estou indo muito feliz de ir para VT e já abri mão da UCL (a de Londres). Talvez alguem se pergunte, mas como assim? Pensei em tudo e no final das contas vi que a VT é melhor para mim, mesmo a UCL sendo uma das melhores na minha área.

Como fechamento, realmente os processos são bem cansativos. Muitas vezes acreditei que era mais uma prova de resistência do que qualquer outra coisa, mas o sentimento de realização é indescritível. O único conselho que eu posso dar é: tente e se surpreenda!

Em um próximo post, compartilharei com vocês a experiência pós aceite e um pouco da vida por lá! Obrigado! 😉

DOIS ERROS para você evitar ao se candidatar a uma pós no exterior: um depoimento de Luiza Cruz

Hoje temos uma inspiração para vocês!

O nome dela é Luiza Cruz, ela é mineira, formada em Farmácia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e está a caminho do seu doutorado em Química na Imperial College London. Mas para chegar lá, teve que driblar algumas pedras no caminho…

A hora da candidatura vai chegando e você fica igual a siri na lata, perguntando:

“tem alguém que NÃO passou? Alguém que foi aceito pelo programa de bolsas (como o Ciência sem Fronteiras, por exemplo) aqui no Brasil mas foi recusado pelas universidades??”
“tem alguém que NÃO passou? Alguém que foi aceito pelo programa de bolsas (como o Ciência sem Fronteiras, por exemplo) aqui no Brasil mas foi recusado pelas universidades??”

Well, jovem, tenho uma boa e uma má notícia pra vocês, mas vou dar a má primeiro (como sempre):

SIM, TEM GENTE QUE NÃO É ACEITO POR NENHUMA DAS UNIVERSIDADES.

Mesmo tendo milhares de experiências acadêmicas, estágios, o diabo a quatro.

Oh, céus, mas POR QUÊ???
Oh, céus, mas POR QUÊ???

Porque eles não conheciam os Abroaders  cometeram alguns erros muito comuns, que parecem bestas mas são desastrosos. Pode dar a boa notícia agora?

Temos aqui uma candidata que TENTOU DE NOVO, PASSOU, e veio dar as dicas de como NÃO repetir esta experiência – a não ser que você curta fortes emoções, viver perigosamente, e tal… daí você pode ser nosso próximo exemplo de superação, mas garanto que prefere seguir as dicas da Luiza e ser feliz logo de primeira. Então, com vocês, Luiza Cruz!

“Quando eu comecei o meu primeiro processo para realizar o doutorado no exterior pelo Ciência sem Fronteiras, em agosto de 2012, nunca achei que somente dois anos depois finalmente conseguiria. Estava realizando o estágio final da faculdade em uma indústria, já havia feito um estágio em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) em um instituto na Suíça, participado por três anos de projetos de iniciação científica e ganhado prêmio de destaque acadêmico na minha turma de graduação. Hoje, posso ver claramente meus dois maiores erros naquela primeira vez: escolha do orientador/programa e a elaboração da SoP (Statement of Purpose).

Pode parecer meio óbvio, mas na pós-graduação você tem um grau maior de interdisciplinaridade e por isso mais opções de programas e orientadores. Em 2012, eu não sabia como era o processo para ser admitida e acabei fazendo escolhas erradas. Não pesquisei direito e nem mantive contato com os professores, ou seja, o caminho certo… se você deseja fracassar. E foi depois de um fracasso total no primeiro ano que decidi tentar de novo.

Pensei: o que eu quero fazer depois do doutorado?

A resposta estava na ponta da língua e então comecei a listar o que eu precisava e quais programas e orientadores poderiam me ajudar a chegar lá.  Mudei de área e mantive contato com vários potenciais orientadores (acabei nem me candidatando para todas as universidades). Para ter certeza do research fit, ou seja, se os meus planos de pesquisa se encaixavam com os interesses dos orientadores, fiquei de olho nas publicações mais recentes dos grupos de pesquisa (em quais periódicos, com qual freqüência publicavam e as colaborações mais importantes). Depois de muita pesquisa, eu fechei minha lista com a certeza de que em qualquer um dos grupos eu seria bem-vinda e de que a pesquisa tinha tudo a ver comigo.

Segundo e mais importante, SoP. Hoje eu sei que meu primeiro SoP foi digno de dó. Parecia mais uma versão em texto do meu currículo. Na minha segunda tentativa, eu tirei tudo que já estava no meu currículo e foquei no que era realmente importante:

Por que eu, e não outra pessoa, tinha que ser escolhida?

Mostrei por A + B (com citação e tudo!) que não só eles eram a minha escolha lógica como também eu era a deles. Na média, cinco parágrafos e uma página e meia foram suficientes para mim. Antes de submeter, eu pedi a uma amiga inglesa, ao meu ex-mentor que é doutor na minha área e que tem o emprego dos meus sonhos e a minha irmã para avaliarem meu texto. No total, fiquei quase 5 meses trabalhando no meu texto. E se eu o ler hoje, com certeza ainda mudaria muitas coisas. Por isso, gaste o máximo de tempo e esforço que der nele, vai valer a pena.  

Assim que percebi o fracasso iminente de 2013, decidi que iria fazer de tudo para levar a minha candidatura a outro nível. Pensei nas coisas que poderiam ser melhoradas. GPA da graduação? Já era. Refazer os testes? Muito trabalhoso, mas possível. Refiz o GRE e melhorei minha nota (não acredito que o GRE seja o fator decisivo em uma application, mas também não atrapalha e, se você tem o tempo e o dinheiro, por que não?).

Agora o ponto mais crítico e talvez mais trabalhoso. Eu sabia que não podia ficar simplesmente um ano parada (academicamente falando) e seria muito bom ter mais experiência em pesquisa na área. Solução? Mestrado. Não pelo título em si, mas pela experiência em pesquisa, que nunca é demais. Também me ajudou o fato do mestrado ser na nova área escolhida e, portanto mostrou aos avaliadores que mesmo sendo de outra área eu poderia dar certo no programa deles.

Mas mesmo sendo cuidadosa, ainda cometi alguns erros. Uma das muitas exigências dos programas de pós-graduação nos EUA é o GRE Subject [nota dos Abroaders: em nosso material sobre o GRE, falaremos sobre isso]. Entre os top 20 programas da minha área, somente um ou dois não exigem o teste. E se você quer ir para as melhores universidades (quem não quer?), se prepare para enfrentar forte concorrência aqui. Na minha área, é bastante comum ver norte-americanos com 60, 70% sendo aprovados nos melhores programas, sendo que para estudantes internacionais a média fica acima de 90%. Além disso, o teste pode ser oferecido até três vezes por ano, mas no Brasil geralmente apenas duas datas são disponibilizadas. Ou seja, não deu tempo de estudar e quando fui ver já não havia mais data disponível e acabei não fazendo o teste.  Ainda dá tempo de checar esses requerimentos e não bobear que nem eu (geralmente, as provas são em abril, setembro e novembro).

Enfim, depois de dois anos de muita correria, finalmente colhi os frutos. Fui aceita em 3 de 4 das minhas universidades (na quarta fiquei na lista de espera), fui chamada de top candidate em uma, chorei para escolher outra, mas… so far no regrets.

Em outubro vou começar meu doutorado para fazer exatamente o que eu sempre quis fazer e com a certeza de que foi a melhor escolha.”

Lindo, não? Aposto que ficou com os olhos marejados aí. Pois respire, volte à vida real e releia o texto com cuidado, porque a Luiza deu dicas muito importantes aqui! Muitas delas você verá novamente em breve, em nosso material sobre SoP que estamos preparando com cuidado.  Ah! Se quiser saber mais sobre como encontrar seus orientadores e universidades, clique aqui.

Abraço dos Abroaders!